Estudo 03 – Quem é Deus – Texto: Êxodo 34:5-8

 Se Deus não tivesse tomado a iniciativa de se revelar, ninguém jamais o conheceria. Mas, felizmente, ele se revelou “através de toda a sua criação, nas forças e nos poderes da natureza, na constituição da mente humana, na voz da consciência, e no governo providencial do mundo em geral e das vidas dos indivíduos em particular”. Deus também falou muitas vezes e de muitas maneiras. E hoje ele nos fala através da Bíblia Sagrada. Mas, quem é Deus? Não é possível definir Deus. A mente humana, embora prodigiosa, não dispõe de recursos para captar toda a grandeza de Deus. O máximo que podemos fazer é a descrição analítica de Deus, a partir do que ele nos revela na Bíblia Sagrada. No nosso breve catecismo pergunta nº 4 está definido o que é Deus? “Deus é espírito, infinito, eterno e imutável em seu ser, sabedoria, poder, santidade, justiça, bondade e verdade.” Vamos procurar ver, neste estudo o que as Escrituras nos ensinam sobre Deus, através dos seus atributos, dos seus nomes e da sua triunidade.
 Uma pesquisa sobre Deus feita no Brasil, revelaria, com toda possibilidade, que a maioria dos brasileiros crê em Deus, mas que poucos sabem realmente quem Ele é. Quem é Deus para você? Como você o imagina? Confissão de Fé de Westminster (Cap.2).
 Quando Moisés quis ver a glória de Deus e conhecê-lo mais intimamente (Ex. 33:18), Deus negou-se a aparecer-lhe (Ex. 33:20-23) mas revelou-se a ele através de Seus atributos, Ex. 34:6,7. É através os seus atributos que nós podemos conhecer quem Deus é (Atributos: são as características que identificam perfeitamente quem a pessoa é).
01. Deus nunca foi visto por alguém (Ex. 33:20; I Tm. 6:16 ). Como então pode ser conhecido? A Escritura não fornece uma descrição completa de Deus, mas o revela de outros modos. A Escritura representa Deus sob forma de símbolos, como a sarça ardente, a coluna de fogo e fumo, a nuvem da glória, “rocha”, etc. As Escrituras também atribuem vários nomes a Deus, cada um deles revelando algo do Ser divino, como “‘Iahweh – Jeovah” () que significa “eu Sou” (Ex. 3:15), “‘Iahweh Jireh” (), que é “O Senhor que provê” (Gên. 22:13,14), “ ‘Iahweh Seba’ôt” que é “Senhor dos Exércitos” (I Sm. 1:3) e muitos outros. A Escritura dá algumas breves definições de Deus, como “Deus é espírito” (Jo. 4:24), “Deus é luz” (I Jo. 1:5), “Deus é amor” ( I Jo. 4:8 ). Também, a Escritura enumera, em vários lugares, características ou atributos de Deus, como Ex. 34:6,7 (clemente, compassivo, longânimo, misericordioso, fiel, justo), Sal. 145 (grande, majestoso, bondoso, justo, benigno, misericordioso, bom, clemente, fiel, santo). A revelação maior de Deus na Escritura, porém, é em Jesus Cristo, que revela o Deus invisível (Jo. 11:18), sendo a exata imagem do Seu ser (Col. 1:15; Heb. 1:3).
02. Deus, portanto, pode melhor ser conhecido pelos Seus atributos. Os atributos são propriedades ou qualidades de Deus, mencionados na Bíblia Sagrada, ou deduzidas de seus atos. Como Deus é perfeito, seus atributos são chamados de Perfeições Divinas. Os atributos que só Deus possue, como, por exemplo, a imutabilidade, são chamados de atributos incomunicáveis. Aqueles que os homens também possuem, como, por exemplo, o amor, são chamados de atributos comunicáveis. A diferença é que as qualidades humanas são imperfeitas e os atributos de Deus são perfeitos.
2.1. OS ATRIBUTOS INCOMUNICÁVEIS: Auto-existência ou Independência (Êx.3:13,14; Jo.5:26; At.17:25) Deus não depende de nada e nem de ninguém para existir ou agir; Eternidade (Sl.90:2; 102:12; 2 Pd.3:8) – Deus sempre existiu e sempre existirá, ele não está limitado pelo tempo; Imensidade ou Onipresença (1 Reis 8:27; Sl.139:7-10; Is.66:1). Deus não está limitado pelo espaço, ele está presente ao mesmo tempo em todos os lugares; Imutabilidade (Mlq.3:6; Tg.1:17) Deus não muda em seu ser, em sua essência, em seus atos, nem em seus propósitos. Quando a Bíblia diz que Deus mudou na realidade a situação é que mudou. A linguagem usada é a do observador, como, por exemplo, quando alguém afirma que o sol saiu a tal hora, dando a idéia de que o sol se movimenta, quando a terra é que se move.
2.2. OS ATRIBUTOS COMUNICÁVEIS: Bondade (Sl.145:9,15,16; Jo.3:16,17; Ef. 2:1-9; 1 Jo. 4:7-10). Deus é absolutamente bom. Ele trata benévola e generosamente todas as suas criaturas. Esta bondade, em relação às criaturas racionais, chama-se amor. “Deus é amor” (1 Jo.4:8). Por causa do pecado o homem perdeu o direito de ser amado por Deus, mas o Criador continua a nos amar. Deus é misericordioso, por isto ele tem compaixão de nós. Ele é longânimo, por isto nos tolera. Santidade (Êx.15:11; 1 Sm.2:2; Is.6:3; Hq.1:13; Ap.4:8) – Deus é perfeitamente puro em sua pessoa e em seus atos e, consequentemente, ele é contra toda e qualquer forma de impureza. Justiça (Sl.71:19; Mt.10:42; Rm.1:32) – Deus é absolutamente justo, ele governa o mundo com justiça, recompensa todos os atos bons dos homens e pune os seus erros. Soberania (Sl.115:3; Mt. 10:29) – Deus “faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade.” (Ef.1:11).
2.3. A Confissão de Fé (cap.II), tentou agrupá-los sob 3 grandes divisões:
( a ) O que Deus é em Si mesmo: “Há um só Deus, vivo e verdadeiro, o qual é infinito em seu ser e perfeições. Ele é um espírito puríssimo, invisível, sem corpo, membros ou paixões; é imutável, imenso, eterno, incompreensível, onipotente, onisciente, santíssimo, completamente livre e absoluto, tudo fazendo para sua própria glória e segundo o conselho da sua própria vontade, que é reta e imutável”.
( b ) O que Deus é em relação ao homem: “é cheio de amor, é gracioso, misericordioso, longânimo, muito bondoso e verdadeiro remunerador dos que O buscam e, contudo, justíssimo e terrível em seus juízos, pois odeia todo pecado; de modo que não terá por inocente o culpado”.
( c ) O que Deus é em relação a criação: “Deus é todo-suficiente em Si e para Si, pois não precisa das criaturas que trouxe à existência, não deriva delas glória alguma. Ele é a única origem de todo ser; porque dele, por ele e para ele são todas as coisas e sobre elas tem domínio soberano para fazer com elas, para elas e sobre elas tudo quanto quiser. Todas as coisas estão patentes e manifestas diante dele; o seu saber é infinito, invariável e independente da criatura, de sorte que para ele, nada é contingente ou incerto”.
03. Diante dos atributos de Deus, enumerados na Escritura e explicados na Confissão de Fé, rejeitamos algumas idéias acerca de Deus que são muito populares e difundidas.
( a ) Rejeitamos a idolatria que é a tentativa de representar a Deus em forma visível ( Ex. 20:4-6 ), ferindo a doutrina de que Ele é vivo, espírito verdadeiro e único.
( b ) Rejeitamos o politeísmo, que ensina que há vários e muitos deuses ( I Cor. 8:4-6 ), ferindo a doutrina de que há apenas um Deus.
( c ) Rejeitamos o panteísmo, que ensina que “tudo é Deus e Deus é tudo”, ou seja, a natureza é Deus e Deus é a natureza. Esta ideia falsa esquece que Deus é distinto e independente da sua criação e o transforma numa força cósmica que permeia tudo, como pôr exemplo, na série de filmes “Guerra nas Estrelas”.
( d ) Rejeitamos o mormonismo, que ensina que Deus é homem, com braços, pernas, olhos, etc, contrariando a doutrina que Deus é espírito puríssimo.
( e ) Rejeitamos o deísmo, que ensina que Deus criou o mundo e se afastou dele, esquecendo que Deus está presente pela Sua providência, guiando e sustentando o universo.
04. Diante da doutrina de Deus, semelhante, os crentes deveriam guardar-se de algumas atitudes errôneas:
 4.1. Um conhecimento meramente intelectual de Deus; alguém pode conhecer teologia, ler muitos livros devocionais e doutrinários, mas não conhecer a Deus pessoalmente. “O conhecimento de Deus consiste mais em uma experiência viva que em vãs especulações” ( Calvino ).
4.2. Enfatizar um atributo de Deus em detrimento do equilíbrio divino; enfatizar o amor de Deus e esquecer que Ele é justo, ou vice-versa.
4.3. Não prestar culto a Deus, negligenciando o culto divino, o serviço e a obediência devidos a Deus.
4.4. Falta de prazer e deleite em Deus (em Sua presença, no templo. Ex.: daqueles que mal chegam para o culto, já estão loucos para que o culto acabe logo. Por que? E para que?), ao passo que desfruta dos prazeres ilusórios e enganadores deste mundo.
 4.5. Pensar e fazer coisas poucas e pequenas para um Deus tão grande. Precisamos aprender dar e fazer sempre o melhor e da melhor qualidade para Deus.
Alertamos, ainda, os que não tomaram uma decisão de servir a este tão grandioso Deus de forma total e aberta, que arrependam-se da demora, e que imediatamente, entreguem seus corações ao Senhor.

EXERCÍCIO PARA FIXAÇÃO
a. Quem é Deus para você?________________________________________________________________________________
b. Como ele se revela a você?

_______________________________________________________________________________
c. Você o conhece?________________________________________________________________________________
c.1. Como? ________________________________________________________________________________
d. Para meditar: “Deus se faz conhecer de três maneiras: de forma suprema em Cristo, de um modo geral pela Bíblia, mas também pôr intermédio da pregação, hoje”.
e. Dê a definição de Deus conforme o breve catecismo: ________________________________________
Que sejamos uma Igreja que serve ao Deus vivo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *